Rússia bombardeia a Ucrânia com mísseis; Kiev diz que invasão é total; vídeo

Na manhã desta quinta-feira (24/1), a Ucrânia é atingida por uma segunda onda de mísseis; brasileiros pedem ajuda à embaixada O presidente r...

Na manhã desta quinta-feira (24/1), a Ucrânia é atingida por uma segunda onda de mísseis; brasileiros pedem ajuda à embaixada

O presidente russo, Vladimir Putin, anunciou, no início da madrugada desta quinta-feira (24/2), horário de Brasília, o início das operações militares no leste da Ucrânia, alegando necessidade de proteger os civis. Ataques foram registrados em cidades de todo o país. O governo ucraniano afirma que a invasão não se resume às regiões separatistas de Donetsk e Luhansk, reconhecidas pela Rússia na segunda-feira (22/2).

Foto: Reprodução

Na manhã desta quinta, a Ucrânia é atingida por uma segunda onda de mísseis, segundo um assessor próximo do presidente Volodymyr Zelensky. O governo ucraniano fala em oito mortos e diz que está respondendo aos ataques. Trata-se da mais grave crise militar na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

Pelo menos 20 brasileiros estão em um hotel de Kiev, a capital da Ucrânia, e pedem ajuda à embaixada brasileira para deixar o país. Entre eles, está o santista Aluísio Chaves Ribeiro Moraes Júnior, mais conhecido como Junior Moraes.

Por volta das 7h em Kiev (2h em horário de Brasília), as sirenes da capital começaram a tocar. O som foi o primeiro alerta para a população de um possível ataque aéreo. O aeroporto da cidade foi esvaziado e teve os voos suspensos.

Os pedidos das autoridades ucranianas para que a população fique em casa não adiantaram muito diante do som das explosões em torno da capital Kiev. As sirenes anunciando a invasão da Rússia ao país soou mais alto e os moradores da capital e de outras cidades correram para tentar fugir. O espaço aéreo do país segue fechado.

Poucas horas depois do ataque, sinais de contra-ataque começaram a surgir, e a imprensa internacional noticia reação ucraniana contra a operação militar liderada por Vladimir Putin.

Segundo a agência de notícias Reuters, militares da Ucrânia afirmaram ter abatido cinco aviões russos, além de um helicóptero, na região de Luhansk, um dos dois territórios separatistas da Ucrânia. O Ministério da Defesa da Ucrânia confirmou, mediante as redes sociais, a ação. Já a Rússia, por meio da agência de notícias RIA, negou a informação.

Logo depois de o presidente russo anunciar o início das operações militares no leste da Ucrânia, o mandatário ucraniano fez pronunciamento e pediu apoio de todos os militares e da população. Disse que está distribuindo armas para que todos possam se defender. Volodymyr Zelensky ressaltou ainda que o país “não vai entregar sua liberdade”.

“Essa manhã é histórica. Protestem contra essa guerra”, frisou. Ataques foram registrados em cidades de todo o país, segundo os primeiros relatos. O governo ucraniano afirma que a invasão não se resume às regiões separatistas de Donetsk e Luhansk, reconhecidas pela Rússia na segunda-feira (22/2).
Início dos ataques

Em discurso televisionado, Putin disse que a ação é uma resposta a ameaças vindas da Ucrânia, o que ele chamou de “intolerável”. Acrescentou, ainda, que a Rússia não tem o objetivo de ocupar a Ucrânia, e responsabilizou o país vizinho por qualquer possível “derramamento de sangue”.

VEJA MAIS



“Simplesmente não nos deram outra opção para defender a Rússia e o nosso povo além daquela que usaremos hoje”, disse, sem precisar a magnitude da operação.

No comunicado, feito enquanto o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) estava reunido, o presidente russo também alertou outros países que qualquer tentativa de interferir na ação russa levaria a “consequências que nunca viram”.

Putin também pediu aos soldados ucranianos que deponham as armas. “A verdade está do nosso lado. Os objetivos serão atingidos”, discursou.
Os Estados Unidos reagiram à notícia imediatamente e afirmaram, em nota, que o ataque da Rússia é injustificável e que o país pagará pelo que está causando ao mundo.
“Putin escolheu uma guerra premeditada que trará uma catastrófica perda de vidas e sofrimento humano. Apenas a Rússia é responsável pelas mortes e destruição que esse ataque trará, e os Estados Unidos e seus aliados irão responder de maneira unida e decisiva”, disse Biden.Dia movimentado
O anúncio foi feito logo após Moscou declarar que as autoproclamadas repúblicas de Donetsk e Luhansk haviam pedido ajuda para repelir “agressões” de Kiev.

Nessa quarta-feira (23), o risco de um conflito armado também dominou os discursos da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU).
Representantes da Rússia, Ucrânia, dos Estados Unidos, além do secretário-geral da entidade, António Guterres, falaram sobre o tema. Isso em meio a várias sanções econômicas contra os russos.
O Parlamento ucraniano atendeu ao apelo do presidente Volodymyr Zelensky e aprovou na quarta-feira um decreto de estado de emergência válido para todo o país pelo prazo de 30 dias.
Siga o Diário Sobralense no Google Notícias e acompanhe as notícias do dia em primeira mão.

Related

Mundo 202994888248987287

Destaques da semana

Links indicados

Siga-nos no Telegram

Siga-nos no Facebook



Sites Parceiros

GeraLinks - Agregador de links

Sites parceiros

38ba90fa0ec5e1eb24841c49ef10895998492859
item