Acusados de matar jovem irão a júri popular; Ela foi obrigada a cavar a própria cova em praia

A defesa de Douglas e Victor Straccioni da Silva e Daiane Mayara Pasqual afirmou que vai entrar com recurso Do G1 e Jovem Pan Reprodução  Os...

A defesa de Douglas e Victor Straccioni da Silva e Daiane Mayara Pasqual afirmou que vai entrar com recurso

Do G1 e Jovem Pan

Reprodução

 Os três acusados de matar Amanda Albach, de 21 anos, irão a júri popular, decidiu a 2ª Vara de Imbituba, no Sul catarinense. Eles estão presos preventivamente. Os três são acusados de homicídio qualificado por motivo torpe e recurso que dificultou a defesa da vítima, cárcere privado, ocultação de c@dáver e t○rtura.

A defesa de Douglas e Victor Straccioni da Silva e Daiane Mayara Pasqual afirmou que vai entrar com recurso.

Amanda, mãe de uma criança de 2 anos, foi morta em 15 de novembro de 2021 e enterrada em uma praia de Imbituba. O corpo foi encontrado em 3 de dezembro, após a prisão dos suspeitos em uma cidade gaúcha. A vítima morava na região metropolitana de Curitiba e estava desaparecida há 18 dias.

O Poder Judiciário decidiu em 11 de agosto que os três acusados irão a júri popular.

O Caso

A jovem Amanda Albach, de 21 anos, foi obrigada a cavar a própria cova antes de ser morta com dois tiros na praia de Itapirubá, região limítrofe entre os municípios de Imbituba e Laguna, no litoral sul de Santa Catarina, segundo informações da Polícia Civil.

Segundo as investigações, a jovem foi assassinada por um homem com ligação com o trá,fico de drogas. Segundo o delegado da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Laguna, Bruno Fernandes, o homem, que confessou os disparos, se sentiu incomodado pela vítima ter contado para outras pessoas que ele teria relações com a venda de drog4s. Amanda também teria batido uma foto de uma ar,ma que ele possuía em casa. “Nesse contexto que predomina em relação ao trá,fico de drog4s, ele não gostou e essa foi a razão pela qual ele optou por tirar a vida dela”, disse.

Veja também:

A vítima estava desaparecida desde o dia 15 de novembro, data que a Polícia Civil acredita que o crime tenha sido cometido. De acordo com o depoimento do suspeito, ele obrigou a vítima a caminhar na praia com uma pá antes de mandar Amanda a cavar a própria cova. Ele também teria coagido a vítima a mandar um áudio para familiares momentos antes do crime para afirmar que voltaria para casa no dia seguinte.

Segundo o delegado, a família da vítima desconfiou que havia algo de errado pelo tom da voz na mensagem. Pelos depoimentos, apenas este suspeito estava presente no momento da morte.

Receba notícias do Diário Sobralense pelo Google Notícias | Facebook | Twitter | Telegram

Receba notícias do Diário Sobralense pelo Google Notícias | Facebook | Twitter | Telegram

Related

Brasil 4531770158553156778

Destaques da semana

Links indicados

Siga-nos no Telegram

Siga-nos no Facebook



Sites Parceiros

GeraLinks - Agregador de links

Sites parceiros

38ba90fa0ec5e1eb24841c49ef10895998492859
item