Ucrânia acusa Rússia de lançar bombas de fósforo contra crianças

Artefatos são semelhantes a armas incendiárias e causam graves ferimentos, como queimaduras profundas Siga o   Diário Sobralense   no   Goog...

Artefatos são semelhantes a armas incendiárias e causam graves ferimentos, como queimaduras profundas

Siga o Diário Sobralense no Google Notícias e acompanhe as notícias do dia em primeira mão.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, acusou formalmente a Rússia de usar bombas de fósforo contra crianças. O país já havia feito esse tipo de avaliação sobre a atuação das tropas de Vladimir Putin, mas não de forma enfática.

Foto: Reprodução

Zelensky levou a denúncia para a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), ao participar da reunião de cúpula, realizada nesta quinta-feira (24/3), em Bruxelas.

“Nesta manhã, houve ataques com bombas de fósforo, e novamente morreram crianças, além de adultos”, frisou o líder ucraniano.

VEJA MAIS
As bombas de fósforo são semelhantes a armas incendiárias e causam graves ferimentos. Elas são compostas por substâncias solúveis em gordura e, assim, provocam queimaduras profundas.

Caso fragmentos entrem na corrente sanguínea, pode haver falência múltipla de órgãos, e feridas já cobertas podem reabrir quando os curativos são retirados e o local fica exposto ao oxigênio.
Ataques

Os bombardeios na Ucrânia completam um mês nesta quinta-feira (24/3) e não dão sinais de que vão parar. Russos continuam os ataques em centros urbanos. Ucranianos dizem ter afundado um navio militar da tropa inimiga.

Autoridades de Kharkiv, segunda maior cidade da Ucrânia, disseram que ao menos seis civis morreram e 15 ficaram feridos após um bombardeio russo.

O ataque teria atingido uma agência de correio próxima de um local em que moradores da cidade recebiam ajuda humanitária. A acusação é do governador regional, Oleg Siniegubov.

Em contrapartida, a Ucrânia fez ataque inédito com mísseis contra um porto que havia sido ocupado pela Rússia nesta quinta-feira.

Segundo agências internacionais de notícias, ao menos um navio de desembarque de tropas, blindados e munição, o Orsk, foi destruído no ataque e afundou nos 5 metros do porto de Berdyansk, segundo a Marinha ucraniana.

Resolução da ONU

Nesta quinta-feira, os embaixadores responsabilizaram o país comandado por Vladimir Putin pela “crise humanitária” provocada pela guerra.

Foram 140 votos a favor, 5 contra e 38 abstenções. O Brasil votou a favor da resolução. O texto prevê o envio de ajuda humanitária, mas há detalhes.

Na direção contrária, a Assembleia Geral se negou a votar resolução que “eximia” a Rússia pelo início do conflito da Ucrânia. Na prática, o documento funcionaria como um “perdão” pela guerra.

O texto foi proposto pela África do Sul, mas não chegou a ser votado, após ser rechaçado por 67 países na Assembleia, seguindo pedido da Ucrânia. A Rússia apresentou redação semelhante. A Assembleia Geral da ONU tem 193 integrantes.
Mortos na guerra

No dia em que a guerra na Ucrânia completa um mês, a Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou um número preocupante: 1.035 civis perderam a vida durante os bombardeios.

Nesta quinta-feira, o escritório de direitos humanos informou ainda que ao menos 90 crianças estão entre os mortos. Outras 1.650 pessoas se feriram.

A ONU reconhece a subnotificação dos números, uma vez que é difícil obter relatórios de áreas que estão sob intenso bombardeio.

Antes, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) disse, em comunicado, que 4,3 milhões de crianças — portanto, mais da metade dos menores de 18 anos no país, estimados em 7,5 milhões— tiveram de deixar suas casas. Do total, ao menos 1,8 milhão refugiou-se em outros países.

Os Estados Unidos e a União Europeia (UE) articulam uma série de medidas contra a Rússia e seu líder, Vladimir Putin

O chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell, acusou a Rússia de não ter interesse em negociar um cessar-fogo na Ucrânia.

Clique aqui e leia a cobertura completa da guerra na Ucrânia.

“Neste momento, a Rússia não quer sentar e negociar nada: o que quer é ocupar o terreno”, salientou Borrell após reunião da cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

O conselheiro de segurança nacional norte-americano, Jake Sullivan, adiantou o que pretende o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e confidenciou que a maior preocupação é com ataques cibernéticos russos e o uso de armas químicas.

“É importante porque tudo será decidido nos próximos 15 dias. O que vai fazer história é a capacidade dos ucranianos de resistir”, frisou.
Recados

A cúpula da Otan mandou recados duros a dois países aliados do presidente russo, Vladimir Putin. A entidade militar advertiu China e Belarus, além de dizer que as nações são “cúmplices” da guerra na Ucrânia.

Nesta quinta-feira, a guerra completa um mês, e os líderes da Otan estão reunidos em Bruxelas. Ocorre que foi justamente o desejo da Ucrânia de entrar na organização que deu início à invasão russa, em 24 de fevereiro.

O grupo está preocupado com a guerra. “Temos a responsabilidade de assegurar que o conflito não escale”, disse o secretário-geral, Jens Stoltenberg.

Ele advertiu a China a não apoiar Vladimir Putin, seu aliado, e disse que a ditadura de Belarus tem de parar de ser cúmplice de Moscou.

A declaração ocorre em meio a rumores de que Pequim está fornecendo ajuda militar e econômica a Moscou para auxiliar na guerra na Ucrânia.

Belarus passou a centralizar uma polêmica internacional após sofrer acusações de facilitar a invasão e depois ter executado ataques contra a Ucrânia com mísseis.

Dia decisivo

A tensão global tem atingido níveis estratosféricos com a falta de entendimento entre russos e ucranianos e a deterioração das relações político-diplomáticas envolvendo outras nações, como Estados Unidos, Rússia e China.

A quinta-feira tem intensa agenda internacional: haverá reunião da cúpula da Otan, do conselho da União Europeia e do G7 — grupo dos países mais ricos do mundo.

Os encontros debaterão a instabilidade geopolítica atual. Novas sanções contra a Rússia, o risco do uso de armas nucleares e o fortalecimento da defesa mundial são as principais pautas divulgadas até o momento.

Fonte: Metrópoles

Related

Mundo 3639815253300151000

Destaques da semana

Links indicados

Siga-nos no Telegram

Siga-nos no Facebook



Sites Parceiros

GeraLinks - Agregador de links

Sites parceiros

38ba90fa0ec5e1eb24841c49ef10895998492859
item