Delegado diz que menino morto na van foi tratado “como saco de batata” | Diário Sobralense News

Delegado diz que menino morto na van foi tratado “como saco de batata”

Casal responsável pelo transporte escolar é investigado por homicídio doloso após a morte de Apollo Gabriel, de 2 anos, esquecido na van Cré...

Casal responsável pelo transporte escolar é investigado por homicídio doloso após a morte de Apollo Gabriel, de 2 anos, esquecido na van

Créditos: Metrópoles

Reprodução

São Paulo – Responsável por investigar a morte de Apollo Gabriel, de 2 anos, o delegado Fernando Barbosa Bocci afirma que o casal que esqueceu o menino dentro da van escolar, na capital paulista, tratou a criança “como se fosse um saco de batata”.

A alegação foi usada pelo delegado do 73º Distrito Policial (Jaçanã), que instaurou o inquérito, para pedir a prisão preventiva do motorista Flávio Robson Benes, de 45 anos, e sua assistente, Luciana Coelho Graft, de 44, por homicídio com dolo eventual. Esse crime acontece quando os autores assumem o risco de causar a morte da vítima.

Apollo Gabriel morreu após ficar seis horas trancado na van escolar, em um estacionamento na Vila Mariana, na zona norte de São Paulo, na terça-feira (14/11). Na ocasião, a capital paulista registrava onda de calor e altas temperaturas.

“Não se pode conceber que os dois indiciados quedem-se inerte da nobre função de guardiãs das crianças que transportam, esquecendo a pequena vítima, com apenas 2 anos de idade, dentro de um veículo, como se fosse um saco de batata e ou algum produto. É um ser humano ao qual assumiram o sacerdócio de cuidar da vítima, nesse transporte escolar de sua casa até a escola”, escreveu o delegado.

Homicídio

Flávio e Luciana foram autuados em flagrante por homicídio doloso. Na delegacia, o casal admitiu que esqueceu a criança na van escolar e atribuiu o erro a enxaqueca e mal-estar que a mulher, que atua como monitora, estava sentindo no dia.

A van não tem cortina ou película. Por volta das 8h40, o veículo foi deixado em um estacionamento na Rua José Michelon, na região da Vila Maria, com Apollo Gabriel dentro. Segundo o depoimento, o local é “bem iluminado”.

O casal voltou ao estacionamento às 15h30, para fazer o transporte do período da tarde, e só percebeu a presença do menino cerca de 10 minutos depois, quando já estava na frente de outra creche. Ele estava desmaiado e teve a morte confirmada no pronto-socorro.

Já para Bocci, o casal tinha o dever de “garantir o bem -star” de Apollo Gabriel nos trajetos entre a casa e a creche. “Não agiram com o dever de cuidado, não evitando o resultado morte, diga-se, de uma forma angustiante e sofrível”, registrou.

“Deveriam ter feito a conferência numérica, não o fizeram. Deveriam ter feito a conferência visual ao deixar a van estacionada, não o fizeram. Simplesmente, poderiam agir evitando o resultado e tinham o dever de impedir esse resultado. Assim, não há que se falar em ausência de dolo.”

No pedido de prisão preventiva, o delegado alegou, ainda, que a liberdade do casal causaria “sentimento de impunidade”. “A prisão preventiva é necessária para a garantia da ordem pública, tratando-se de crime grave e que causa comoção social.

Liberdade

Em audiência de custódia, realizada para avaliar a necessidade de prisão, a juíza Marina Degani Maluf, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), decidiu conceder liberdade provisória aos dois. Na decisão, a magistrada alegou dúvida sobre o caso se tratar, de fato, de homicídio doloso – avaliação que será feita pelo juiz natural do processo.

“Em que pese tratar-se de crime notadamente grave, envolvendo criança, as circunstâncias do fato precisam ser melhor esclarecidas”, escreveu. “A dúvida a respeito da exata tipificação penal afasta o atendimento a um dos requisitos legais indispensáveis à decretação da prisão preventiva.”

A juíza decidiu adotar uma série de medidas cautelares, como suspender o motorista da atividade profissional de transporte escolar de crianças e adolescentes. Flávio Robson entregou sua Carteira Nacional de Habilitação (CNH) na sexta-feira (17/11).

A decisão impôs, ainda, que o motorista e a assistente devem comparecer ao tribunal todo mês, precisam ficar recolhidos em casa em dias de folga e no período noturno (das 22h às 6h) e não podem manter contato, por qualquer meio, com testemunhas e familiares da vítima. Os dois também estão proibidos de sair de São Paulo por mais de oito dias sem comunicação prévia.


Related

Brasil 2522773212627939934

Destaques da semana

Rádio Ao Vivo!

SIGA-NOS

item