Caso Anitta: entenda como a endometriose compromete a vida sexual

A doença pode causar dores nas região pélvica e cólicas durante a transa, como ocorreu com a cantora Anitta Crédito: Metrópoles Sentir dor d...

A doença pode causar dores nas região pélvica e cólicas durante a transa, como ocorreu com a cantora Anitta

Crédito: Metrópoles

Sentir dor durante a relação sexual não é normal. O incômodo pode ser por infecção, por alguma doença ou, ainda, por problemas de ordem psicológicas que demanda tratamento. O sexo tem que ser prazeroso e confortável para todos os envolvidos. Se há dor, é preciso procurar um especialista.

Reprodução/Instagram

Recentemente, a cantora Anitta recebeu o diagnóstico de endometriose após procurar o hospital ao sentir dores durante a relação, e o assunto veio à tona. Vale ressaltar: a doença atinge uma a cada 10 brasileiras e compromete a qualidade de vida das acometidas, inclusive a saúde sexual. Além disso, o diagnóstico pode demorar para ser descoberto. Muitas mulheres levam anos para saber o que têm. De acordo com o ginecologista do Hospital Baía Sul Esdras Camargos, existe uma questão cultural que justifica essa demora.

Veja também:
“Um dos fatores que acabam dificultando o diagnóstico da endometriose está relacionado a uma questão cultural da sociedade, que acredita que é normal sentir cólica menstrual, dores durante a relação sexual ou dor pélvica e que, com o tempo, essas dores irão passar”, esclarece.

Dor e sexo

Para evitar qualquer tipo de dor durante a relação, o ginecologista Rodrigo Dias Nunes, coordenador do Curso de Medicina da UNISUL, sugere que primeiro é preciso checar e diagnosticar a origem do incômodo, já que pode ser um dos sinais de alerta. Procure um especialista para investigar a causa. Descartadas outras doenças e infecções, caso fechado o diagnóstico de endometriose, é preciso recorrer ao tratamento correto para a doença, a fim de promover melhor qualidade de vida para a mulher.

Como ela afeta a transa

Engana-se quem pensa que apenas dores intensas comprometem o bem-estar sexual da mulher com endometriose. Além das “pontadas” na pélvis e fortes cólicas, a mulher com essa doença também pode sofrer com fadiga e exaustão. Sendo assim, além do sofrimento da exposição a quadros repetitivos de dores, a falta de energia pode acabar com a vontade de transar, ressalta Esdras Camargos.

“Além das dores físicas, a mulher também pode acabar contraindo a musculatura, causando ainda mais dor. Após esses episódios de sofrimento, ela pode ficar tensa e não ter lubrificação o suficiente”, explica.

Bem-estar sexual da mulher com endometriose

Apesar de um diagnóstico difícil, existem tratamentos para a doença e é possível ter não apenas qualidade de vida, como um sexo prazeroso.

Camargos esclarece que o tratamento deve ser multidisciplinar e englobar a saúde de uma forma integral, incluindo cuidados com a alimentação e atividades físicas. “Além do uso de hormônios específicos para cada caso, é preciso associar técnicas não farmacológicas ao tratamento como fisioterapia pélvica e também psicólogos para cuidar da saúde mental”, sugere.

Siga o Diário Sobralense no Google Notícias e acompanhe as notícias do dia em primeira

Related

Saúde 8108696935061510665

Veja também

Destaques da semana

Links indicados

Siga-nos no Telegram

Siga-nos no Facebook

Acompanhe-nos!


Sites Parceiros

GeraLinks - Agregador de links

Sites parceiros

38ba90fa0ec5e1eb24841c49ef10895998492859
item