Leia uma redação nota 1000 no Enem

Somente 55 candidatos alcançaram pontuação máxima na prova Paula Ferreira, da Agência O Globo O Instituto Nacional de Estudos e Pe...

Somente 55 candidatos alcançaram pontuação máxima na prova

Eunice ao lado das provas do Enem dos anos anteriores e segurando todas as canetas que usou para estudar para a prova do exame nacional de 2018. — Foto: Eunice de Oliveira

Paula Ferreira, da Agência O Globo
O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou nesta sexta-feira (18) as notas do Exame Nacional do Ensino Médio. Na edição do ano passado, somente 55 pessoas conseguiram alcançar a nota máxima na prova de redação. Neste ano, os estudantes tiveram que escrever sobre "Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet". A estudante Isabel Petrenko Dória, de 18 anos, do curso pH, foi uma das candidatas que obteve nota 1.000 na prova.
—  Ao longo do ensino médio, busquei ficar atenta à estrutura exigida pela banca do ENEM e redigir o maior número de temas possível. Pra isso, procurava ler muitos artigos, na internet, que me atualizassem e  ajudassem  a entender o tema escolhido, busquei ler redações antigas e enriquecedoras, e, também, a assistir a documentários e entrevistas com especialistas no assunto — conta Isabel, dizendo ainda que o incentivo dos pais pela escrita ao longo de sua trajetória foi fundamental.

Leia abaixo a redação da estudante na íntegra:

No filme “O jogo da imitação”, o personagem Alan Turing consegue prejudicar o avanço da Alemanha nazista, posto que decifrou os algoritmos correspondentes ao projeto de guerra de Hitler. Diante disso, pode-se observar, desde a segunda metade do século XX, a relevância do conhecimento tecnológico para atingir certos objetivos. Contudo, diferentemente de tal contexto, atualmente, utiliza-se a tecnologia, muitas vezes, não para o bem coletivo, como representado pelo filme, mas para vantagem privada, mediante a manipulação de dados de usuários da internet. Destarte, é fundamental analisar as razões que fazem dessa problemática uma realidade no mundo contemporâneo. 

Em primeiro lugar, cabe abordar a dificuldade de regulação dos sites quanto ao acesso aos dados de quem está inserido no ambiente virtual. De acordo com Sartre, o homem deve zelar pelo bem coletivo em detrimento do individual, uma vez que ele está articulado a uma comunidade. No entanto, a tecnologia, atualmente, rompe com tal lógica altruísta, pois prioriza-se o lucro gerado pela manipulação do indivíduo.  Isso ocorre porque muitas empresas detêm habilidades técnicas para traçar perfis individuais, direcionando, por conseguinte, o consumo, além de influenciar escolhas e gostos de cada um. Logo, verifica-se também uma ruptura com a filosofia kantiana de que a pessoa deve ser um fim em si mesma e não um meio de conseguir alcançar interesses particulares.

Ademais, outro fator a salientar é a falta de informação do público no que tange à internet. Diante do advento da Era Tecnológica, a priori com a Terceira Revolução Industrial e, posteriormente, com a Quarta, nota-se uma educação incompleta e que não prepara o indivíduo para um mundo imerso em computadores e inteligência artificial. Nessa perspectiva, apesar de, desde a infância, estar em contato com tablets e celulares, a criança cresce sem saber  discernir corretamente quais informações podem ser publicadas ou se seu dispositivo está realmente seguro.

Torna-se evidente, portanto, a necessidade de repensar a manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet. Assim, cabe ao Executivo combater o domínio de elementos pessoais dos consumidores, por meio do investimento na área de tecnologia de informações do Ministério de Ciência e Tecnologia, que deverá aprimorar seu sistema de identificação de uso impróprio de tais dados. Desse modo, poderá ser alcançado o objetivo de proteger os brasileiros inseridos na esfera cibernética. Outrossim, compete ao Ministério da Educação promover a inclusão de disciplinas como Ética e Tecnologia , mediante a alteração na Lei de Bases e Diretrizes da Educação, que impulsionará uma maior difusão da percepção crítica acerca do mundo virtual e de como utilizá-lo, a fim de mitigar a manipulação da conduta dos consumidores. Dessa forma, além de formar cidadãos mais capazes de reconhecer tal adversidade, será possível construir uma sociedade mais bem intencionada e preocupada com o bem coletivo.

Related

Educação 6105472394288397709

Links indicados

CURTA NOSSA PÁGINA

total de visualizações

SIGA-NOS

Seguir por Email

sites indicados

Seu site de notícias
item
http://go.oclasrv.com/afu.php?zoneid=2028681