Mesmo na Copa, árbitro mantém salário de R$ 25 mil do governo federal

Ao mesmo tempo em que está na Rússia para apitar jogos da Copa, o único árbitro brasileiro na competição recebe do governo brasileiro sal...

Ao mesmo tempo em que está na Rússia para apitar jogos da Copa, o único árbitro brasileiro na competição recebe do governo brasileiro salário integral de servidor público.

Sandro Meira Ricci recebe R$ 25 mil mensais como analista de comércio exterior do governo federal. O pagamento, mesmo durante a ausência dele, foi garantido por um despacho publicado no Diário Oficial. O documento autoriza o afastamento de 2 de junho a 17 de julho, mas não suspende o salário.

Procurado pela reportagem, Ricci informou que não se manifestaria sobre o assunto porque a Fifa não permite contato dos árbitros com a imprensa.

Ele foi escolhido para apitar Croácia x Nigéria neste sábado (16) e atuou como quarto árbitro na partida de abertura, em que a Rússia venceu a Arábia Saudita por 5 a 0.

Questionada sobre o valor que pagará a Ricci pelo trabalho durante a Copa, a Fifa respondeu que só divulgará o valor ao fim da competição.

O servidor também é árbitro da CBF e atua no Campeonato Brasileiro, cujo valor pago por partida é de R$ 4.200, além de R$ 600 de diária. Funcionário público desde 2003, Ricci está lotado no Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, em Brasília.

Só em 2018, o ministério já autorizou pelo menos outros três afastamentos remunerados para ele participar de eventos da Fifa no exterior, segundo despachos no Diário Oficial: em fevereiro (2 a 11) e em março (9 a 17) no Qatar e em abril (20 a 29) na Itália.

A assessoria de imprensa da pasta afirmou que, após pedido do Ministério do Esporte, o órgão é obrigado a liberar o servidor para participar do evento. Argumentou, ainda, que se trata do único árbitro brasileiro na Copa.

Além de Ricci como árbitro, há dois brasileiros que são assistentes: Emerson Augusto de Carvalho e Marcelo Van Gasse. É o mesmo trio que participou da Copa de 2014.

Os despachos que concedem o afastamento remunerado a Ricci mencionam uma lei que determina que "será considerado como efetivo exercício, para todos os efeitos legais, o período em que o atleta servidor público [...] estiver convocado para integrar representação nacional em treinamento ou competição desportiva". De acordo com o ministério, o árbitro deve ser enquadrado nesta regra.

Em 2017, a reportagem pediu à pasta, via Lei de Acesso à Informação, a quantidade de faltas de Ricci. Não houve resposta, sob a justificativa de que esses dados "não se encontram disponíveis de forma consolidada e sua extração e consolidação demandariam trabalhos adicionais de análise". Com informações da Folhapress.

Related

Esporte 8442359664616565901

As mais lidas da semana

links indicados

CURTA NOSSA PÁGINA

Seguir por Email

Máquina de Cartão de Crédito

SOBRAL NET

ponto do consorcio

Brenda's Estética

R DIAS

pizza na pedra o mario

Elite Educação

junior suplementos e academa

.

item
http://go.oclasrv.com/afu.php?zoneid=2028681 http://go.onclasrv.com/afu.php?zoneid=1786153