Objeto cósmico 10 milhões de vezes mais brilhante que o Sol parece desafiar nossos modelos | Diário Sobralense News

Objeto cósmico 10 milhões de vezes mais brilhante que o Sol parece desafiar nossos modelos

Os cientistas ficaram perplexos com um misterioso objeto celestial tão brilhante que bugou os modelos existentes Traduzido por Julio Batis...

Os cientistas ficaram perplexos com um misterioso objeto celestial tão brilhante que bugou os modelos existentes

Traduzido por Julio Batista

Original de Marianne Guenot para o Business Insider

Observações da NASA mostram energia de raios X pulsando de M82 X-2. (Créditos: NASA/JPL-Caltech)

A NASA tem rastreado as chamadas fontes ultraluminosas de raios-X, objetos que podem ser 10 milhões de vezes mais brilhantes que o Sol, para entender como elas funcionam. Esses objetos são impossíveis em teoria porque violariam o limite de Eddington, uma regra da astrofísica que determina que um objeto só pode ser tão brilhante antes de se desintegrar.

. (Créditos: NASA/JPL-Caltech/SAO/NOAO)

Um novo estudo confirma categoricamente que M82 X-2, a fonte ultraluminosa de raios-X a 12 milhões de anos-luz de distância, é tão brilhante quanto a observação anterior sugeria.Uma fonte ultraluminosa de raios-X chamada M82 X-2 é mostrada aqui dentro da galáxia Messier 82 nesta imagem pseudo-colorida e de luz visível

Objetos que luminosos deveriam afastar a matéria

O princípio por trás da regra de Arthur Eddington é simples. O brilho nesta escala viria apenas do material – como poeira estelar de restos de planetas em desintegração – que cai em direção a um objeto massivo, como um buraco negro ou uma estrela morta.

Ao ser puxado pela intensa gravidade do objeto, o material esquenta e irradia luz. Quanto mais matéria cai em direção ao objeto, mais brilhante ele fica. Mas há um porém.

Em um certo ponto, tanta matéria estaria sendo puxada para dentro que a radiação que está emitindo deveria ser capaz de sobrepujar o poder da gravidade do objeto massivo. Isso significa que, em algum momento, a radiação da matéria deve afastá-la e ela deve parar de ser puxada.

Mas se não estiver sendo puxada, a matéria não deveria estar irradiando, o que significa que o objeto não deveria ser tão brilhante. Daí o limite de Eddington.

Uma fotomontagem mostra uma visão da galáxia Messier 82 em luz visível, na esquerda, e a luz dos raios-X. (Créditos: NASA/STScI/SAO)


M82 X-2 está beirando o impossível

Por causa do limite de Eddington, os cientistas questionaram se o brilho da fonte ultraluminosa foi realmente causado por enormes quantidades de material caindo nele.

Uma teoria, por exemplo, é que fortes ventos cósmicos concentraram todo o material em um cone. Nesta teoria, o cone estaria apontado para a Terra, o que criaria um feixe de luz que pareceria muito mais brilhante para nós do que se o material estivesse espalhado uniformemente ao redor da fonte ultraluminosa.

Mas um novo estudo olhando para M82 X-2, uma fonte ultraluminosa causada por uma estrela de nêutrons pulsante na galáxia Messier 82, desafiou a teoria do cone (uma estrela de nêutrons é um objeto superdenso deixado para trás quando uma estrela fica sem energia e morre).

A análise, publicada no The Astrophysical Journal em abril, descobriu que o M82 X-2 extraiu cerca de 9 bilhões de trilhões de toneladas de material por ano de uma estrela vizinha, ou cerca de 1,5 vez a massa da Terra, disse um comunicado da NASA.

Isso significa que o brilho desta fonte ultraluminosa é causado por quantidades de material que ultrapassam os limites estabelecidos.

(Créditos: NASA/JPL-Caltech)

Nesta ilustração de uma fonte ultraluminosa, o gás quente é puxado para uma estrela de nêutrons. Campos magnéticos fortes emergindo da estrela são mostrados em verde. 

Campos magnéticos superfortes podem esmagar átomos até a submissão

Dada esta informação, outra explicação tornou-se a principal teoria para explicar as fontes ultraluminosas. E é ainda mais bizarra.

Nesta teoria, campos magnéticos superfortes disparam da estrela de nêutrons. Eles seriam tão fortes que esmagariam os átomos da matéria caindo na estrela, transformando a forma desses átomos de uma esfera em uma corda alongada, disse o comunicado da NASA.

Nesse caso, a radiação proveniente desses átomos esmagados teria mais dificuldade em afastar a matéria, explicando por que tanta matéria poderia cair na estrela sem se desintegrar.

O problema é que nunca seremos capazes de testar essa teoria na Terra. Esses campos magnéticos teóricos teriam que ser tão fortes que nenhum ímã na Terra poderia reproduzi-los.

“Esta é a beleza da astronomia. Observando o céu, expandimos nossa capacidade de investigar como o Universo funciona. Por outro lado, não podemos realmente fazer experimentos para obter respostas rápidas”, disse Matteo Bachetti, autor do estudo e astrofísico Do Observatório Cagliari do Instituto Nacional de Astrofísica da Itália, disse no comunicado da NASA.

“Temos que esperar que o Universo nos mostre seus segredos”, disse ele.

Receba notícias do Diário Sobralense pelo Google Notícias | Facebook | Twitter | Telegram

Related

Mundo 373436549879953105

Destaques da semana

Links indicados

Total de visualizações

Rádio Online ao Vivo

Jornal Paraíso

R DIAS CONSTRUÇÕES

Siga-nos nas nossas redes!

item