Atividade física pode prolongar efeito das vacinas da Covid

Segundo estudo da USP, a presença de anticorpos induzidos por imunizantes é muito maior em pessoas fisicamente ativas Foto: Reprodução Que a...

Segundo estudo da USP, a presença de anticorpos induzidos por imunizantes é muito maior em pessoas fisicamente ativas

Foto: Reprodução

Que a prática de exercícios físicos é importante para nossa saúde física e mental, não há dúvidas. Por muitos anos, seus benefícios são estudados por especialistas e, atualmente, são muito conhecidos, estando relacionados ao aumento da sensação de bem-estar, o controle do estresse e o aumento da imunidade.

Porém, além de tudo isso, de acordo com um recente estudo realizado por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), as atividades físicas também podem intensificar a eficácia das vacinas contra a COVID-19.

Isso porque, naturalmente, o número de anticorpos contra o coronavírus induzidos pelos imunizantes diminui com o tempo - fazendo com que seja importante manter o esquema vacinal completo. Mas, como aponta o artigo, a prática de exercícios físicos pode não apenas intensificar essa resposta vacinal, como também aumentar a durabilidade dos anticorpos.

Reforço de anticorpos

Considerando a idade, o sexo, o uso de medicamentos e o peso dos pacientes, a pesquisa da USP descobriu que o índice de positividade de anticorpos é significativamente maior nos pacientes ativos do que nos fisicamente inativos.

De acordo com o professor Bruno Gualano, primeiro autor da pesquisa, para cada 10 pacientes inativos que apresentaram soropositividade (presença de anticorpos), 15 ativos tiveram o mesmo resultado.

Em conclusão, levando-se em conta os demais benefícios da atividade física, na prevenção tanto de doenças crônicas quanto de casos graves de COVID-19, os pesquisadores recomendaram a promoção clínica de exercícios.

Para eles, uma rotina regular de atividades físicas serve como uma ferramenta barata e capaz de reduzir a baixa resposta vacinal, principalmente em grupos de risco, como pessoas idosas e com o sistema imunológico enfraquecido.

Como foi realizada a análise

Publicado na revista Sports Medicine, o estudo analisou 748 pacientes do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Entre eles, 421 praticavam atividades físicas regularmente e 327 eram inativos. Todos contavam com esquema vacinal completo por seis meses.

Para definir se um paciente é fisicamente ativo ou inativo, a pesquisa utilizou o parâmetro da Organização Mundial da Saúde (OMS), que considera ativa uma pessoa que realiza alguma atividade física moderada ou intensa por, pelo menos, 150 minutos por semana.

Já para avaliar a capacidade de proteção fornecida pela vacina a longo prazo, os autores do estudo realizaram exames sorológicos que verificam a quantidade de anticorpos IgG e a presença de anticorpos neutralizantes (NAb), que estão associados à resposta imunológica da vacina.

Related

Saúde 3370824414861303850

Destaques da semana

Links indicados

Siga-nos no Telegram

Siga-nos no Facebook



Sites Parceiros

GeraLinks - Agregador de links

Sites parceiros

38ba90fa0ec5e1eb24841c49ef10895998492859
item