This is default featured slide 1 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.This theme is Bloggerized by Lasantha Bandara - Premiumbloggertemplates.com.

This is default featured slide 2 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.This theme is Bloggerized by Lasantha Bandara - Premiumbloggertemplates.com.

This is default featured slide 3 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.This theme is Bloggerized by Lasantha Bandara - Premiumbloggertemplates.com.

This is default featured slide 4 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.This theme is Bloggerized by Lasantha Bandara - Premiumbloggertemplates.com.

This is default featured slide 5 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.This theme is Bloggerized by Lasantha Bandara - Premiumbloggertemplates.com.

This is default featured slide 5 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.This theme is Bloggerized by Lasantha Bandara - Premiumbloggertemplates.com.

This is default featured slide 5 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.This theme is Bloggerized by Lasantha Bandara - Premiumbloggertemplates.com.

segunda-feira, 27 de abril de 2020

A nova líder da Coreia do Norte pode ser uma mulher

A irmã do ditador Kim Jong Un é apontada como sua possível - e provável - sucessora

Redação Ana Claudia Paixão

Em meio a cada vez mais fortes rumores da morte do ditador da Coreia do Norte, Kim Jong Un, que não é visto em público há duas semanas, cresce a possibilidade de que a liderança dele seja assumida por sua irmã, Kim Yo Jong.


(Patrick Semansky - Pool /Getty Images/Getty Images/Getty Images)
Para especialistas políticos, Kim Yo Jong, seria a escolha mais óbvia no momento, uma vez que ela já vem sendo ‘treinada’ e foi vista acompanhando o irmão em suas raras aparições públicas. Porém, os mais céticos questionam se a ligação sanguínea pode superar os preconceitos machistas e patriarcais da sociedade na Coreia do Norte. Dentro desse cenário, o papel de Kim Yo Jong seria menos influente que seu Kim Jong Un, limitado a um desempenho de regente. Segundo estudiosos, não apenas os líderes políticos resistiriam à opção de uma mulher no comando, o próprio povo não gostaria de uma mulher-líder. Essa não é uma visão unânime.

A dinastia da família Kim já governa a Coreia do Norte há três gerações. Kim Jon Un sucedeu seu pai e assumiu o controle há 9 anos, ainda com 20 e poucos anos. Sua personalidade violenta logo ficou clara quando mandou executar rivais ao seu poder, o que incluiu um tio e um meio-irmão mais velho.

Os que acreditam que o DNA da família Kim tem mais força, apostam que o povo possa aceitá-la como a nova ditadora. Dentro da família há opções masculinas, mas todas aparentemente desinteressadas em política. O irmão, Kim Jong Chol, gosta mais de tocar guitarra e não tem nenhum título dentro do governo. Resta então o sobrinho, Kim Han Sol, que segundo consta, teria se exilado no exterior ao se opor à própria família. Há também informações não confirmadas da existência de um filho de Kim Jong Un, com apenas 10 anos de idade, mas não é oficial.

Quem acredita que Kim Yo Jong não conseguirá quebrar a tradição cultural de seu país é o antigo braço direito do ditador, Thae Yong Ho, que rompeu com ele e desertou para Coreia do Sul. Para Yong Ho, o substituto deve ser Kim Pyong Il, o único herdeiro vivo do fundador da Coreia do Norte, Kim Il Sung.

“Os servidores de Kim Jong Un estão na casa entre 60 a 80 anos de idade. Na visão deles, Yo Jong é uma iniciante”, disse Yong Ho em uma entrevista. A visão dele é relevante, mas os mesmos argumentos foram feitos quando Kim Jong Un tomou o poder e ninguém da velha-guarda conseguiu pará-lo.

Quem é a possível ditadora?

(Korea Summit Press Pool/Getty Images/Getty Images)
king Yo Jong teria nascido entre 1988 ou 1989, e tinha o apelido de ‘princesa’, dado por seu pai. Ela foi educada em colégios internos na Suíça, como o irmão, antes de retornar para a Coreia do Norte. Desde a ascensão de Jong Un, ela é vista sempre ao seu lado. Ela é a responsável pela área de propaganda dentro do Partido Trabalhista, a mesma posição que seu pai teve antes de se tornar ditador.

“Sua ascensão é clara e ela não é considerada ‘uma mulher’, mas sim uma líder legitimada para governar”, disse Chun Yungwoo, um representante da Coreia do Sul na negociação de assuntos nucleares com a Coreia do Norte. “A Coreia do Norte é um dos países mais chauvinistas e machistas do mundo, mas a linha sanguínea supera qualquer status dentro do Partido Trabalhista, inclusive o gênero”, diz.

Legalmente, até onde se saiba, nada impede uma mulher de tomar o poder na Coreia do Norte. A Constituição do país afirma que as mulheres têm os mesmos direitos e status social que os homens, mesmo que não pareça na realidade. O que pode ‘ajudar’ a Jo Yong é o culto sistemático em torno do nome de sua família. Ela já demonstrou autoridade em público. “Ela sabe jogar o jogo”, diz o professor de Direito, Sung-Yon Lee.

Jogando ou não, a história de Kim Jo Yong pode estar apenas começando.

Fonte:claudia.abril.com.br

Links indicados