Veja mais:

Daniel Corrêa estava 'bastante embriagado' e 'totalmente indefeso' quando foi morto

As pessoas envolvidas no assassinato — o empresário Edison Brittes Júnior, sua mulher Cristiana e sua filha Allana, de 18 anos — vão respon...

As pessoas envolvidas no assassinato — o empresário Edison Brittes Júnior, sua mulher Cristiana e sua filha Allana, de 18 anos — vão responder por homicídio qualificado

Agência O Globo
O jogador Daniel Corrêa, encontrado morto no sábado (27), estava "bastante embriagado" e "totalmente indefeso" no dia em que foi brutalmente assassinado e teve o órgão genital mutilado, informou o delegado Amadeu Trevisan, responsável pelo caso, em entrevista coletiva nesta terça-feira em São José dos Pinhais (PR).
Exames no corpo do atleta, com passagens por Botafogo e São Paulo, constataram que havia 13,4 decigramas de álcool por litro de sangue. Não foram encontrados indícios de que ele teria ingerido outras drogas. Para se ter uma ideia, 5 decigramas de álcool por litro de sangue é a medida mínima que aparece no bafômetro quando uma pessoa não está apta a dirigir.
(Foto: Reprodução)
As pessoas envolvidas no assassinato — o empresário Edison Brittes Júnior, sua mulher Cristiana e sua filha Allana, de 18 anos — vão responder por homicídio qualificado. Outros três suspeitos estariam envolvidos na morte de Daniel. Segundo Trevisan, a família tentou coagir testemunhas em um shopping na segunda-feira (29), para que todos contassem a mesma história.
O delegado contou que a versão inicial era de que a vítima tinha saído da casa de Edison, onde ocorreu uma festa após o aniversário da jovem e, mais tarde, apareceu morto.
— (Nessa situação do shopping), Edison é muito claro, ele adverte, ele ameaça a testemunha, que ela não poderia romper aquele elo, aquela conversa — afirmou Trevisan.
A partir do momento em que a polícia descobriu a autoria do homicídio, depois de levantadas as informações de testemunhas, Edison confessou e alegou ter agido sob "violenta emoção". Trevisan, porém, contesta:
— O crime iniciou naquela manhã (de sábado). Houve muito tempo para que esse crime fosse evitado. E os outros? Participaram por quê? Os demais participaram para que o resultado ocorresse.
Os depoimentos de Cristina e Allana já foram colhidos, enquanto o de Edison deve ser tomado nesta quarta-feira. A defesa da família alegou que Daniel, de 24 anos, tentou estuprar a mulher de Edison, mas não há vestígios que comprovem essa versão. A filha do casal disse que estava dormindo e, mais tarde, viu que o jogador se mexia, mas não falava.
De acordo com o superintendente da Polícia Civil do PR, Edmilson Pereira, o corpo de Daniel "foi encontrado nu" na Estrada do Mergulhão, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, "com o pescoço praticamente degolado e o órgão genital mutilado". Os investigadores constataram que foi usada uma arma branca no crime.
Daniel passou por grandes clubes do futebol brasileiro, como o Coritiba, Botafogo e Ponte Preta. O meia tinha contrato até dezembro com o São Paulo, que havia emprestado o jogador ao São Bento.
O jogador foi para a capital paranaense comemorar o aniversário de Allana, assim como tinha feito no ano anterior, afirmou Trevisan. Daniel e o grupo saíram de uma casa noturna na noite do dia 26 e foi para a casa de Edison, onde a festa continuou.
Segundo a mãe da vítima, Daniel começou a jogar futsal aos 5 anos e, desde o início, se destacava. Eliana Corrêa contou ainda que o filho era uma pessoa tranquila, calma e que tratava todo mundo bem.
— Ele foi brutalmente assassinado — disse, frisando que saber o que aconteceu não faz diferença, pois "nada vai trazer ele de volta".

Related

Esporte 4207517194004597373

Mais lidas

Links indicados

CURTA NOSSA PÁGINA

Seguir por Email

Confira

Sobral tec

SOBRAL NET

SOBRAL NET

R DIAS

R DIAS

pizza na pedra o mario

Elite Educação

ótica do trabalhador

Máquina de Cartão de Crédito

item
http://go.oclasrv.com/afu.php?zoneid=2028681 http://go.onclasrv.com/afu.php?zoneid=1786153