Funcionária de ministério é morta a facadas por ex-marido

Vítima foi golpeada cinco vezes, no peito e nas costas, e chegou a ser transportada pelo Samu ao Hospital Regional de Santa Maria, mas não ...

Vítima foi golpeada cinco vezes, no peito e nas costas, e chegou a ser transportada pelo Samu ao Hospital Regional de Santa Maria, mas não resistiu aos ferimentos

Agência O Globo

Uma funcionária tercerizada do Ministério dos Direitos Humanos de 30 anos foi assassinada a facadas pelo ex-marido, de 21 anos, em uma casa em Santa Maria, região administrativa do Distrito Federal. O crime ocorreu por volta das 18h de sábado. As informações são do portal de notícias G1.
Janaína Romão Lucio tinha duas filhas pequenas com Stefano J. S. A e teria sido vítima de um "crise de ciúmes", segundo testemunhas relataram à Polícia Civil.

A mulher foi golpeada cinco vezes, no peito e nas costas, e chegou a ser transportada pelo Samu ao Hospital Regional de Santa Maria, mas não resistiu aos ferimentos.
De acordo com delegado-chefe da 33ª DP, Alberto Rodrigues, há informações de que Janaína "já havia registrado duas ocorrências de violência doméstica" contra o ex-companheiro. O caso está sendo investigado como feminicídio.
Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal
Conhecidos da vítima afirmavam que ela havia sido morta ao buscar as filhas na casa do pai – versão que está sendo considerada pela polícia. As meninas teriam sido entregues à avó materna.
Em nota de pesar publicada no site da pasta, o ministro dos Direitos Humanos, Gustavo Rocha, afirma que "repudia com veemência a violência contra as mulheres" e que está em contato com a Secretaria de Segurança Pública do DF para "acompanhar de perto as investigações do assassinato de Janaína."
Testemunhas disseram, em depoimento, que encontraram "o casal discutindo por conta de ciúmes e esse teria sido, provavelmente, o motivo do crime". Elas também alegaram ter visto o agressor fugir da casa correndo, descalço e sem camisa.
A faca usada para matar Janaína foi deixada no local e apreendida pela equipe de perícia. O corpo da vítima foi levado ao Instituto Médico Legal (IML). A previsão é que o corpo seja liberado ainda hoje.
No Ministério dos Direitos Humanos, Janaína trabalhava como terceirizada na Coordenação-geral dos Direitos da População em Situação de Rua, que monitora, coordena e avalia políticas de atenção a este segmento social.
Segundo funcionários da pasta, ela era "uma moça jovem, alegre e tranquila", mas circulavam boatos de que Janaína teria sido vítima de violência doméstica mais de uma vez.
A última vez em que ela foi vista pelos colegas de trabalho foi na festa junina da autarquia, na última sexta-feira. Na ocasião, ele levou as duas filhas. "Todo mundo ficou chocado [com o crime]", disse uma funcionária.

Related

Brasil 6527601358186762715

As mais lidas da semana

links indicados

CURTA NOSSA PÁGINA

Seguir por Email

Máquina de Cartão de Crédito

SOBRAL NET

ponto do consorcio

Brenda's Estética

R DIAS

pizza na pedra o mario

Elite Educação

junior suplementos e academa

.

item
http://go.oclasrv.com/afu.php?zoneid=2028681 http://go.onclasrv.com/afu.php?zoneid=1786153